Isekai Maou Lightnovel 8-2-4

Posted



Tentando Ir a um Restaurante Familiar
Parte 4

No escritório da Família Measmos—
Em uma poltrona de couro por destras de uma enorme mesa, um homem de meia idade estava sentado. Ao seu redor, quatro brutamontes estavam de guarda, enquanto um grupo de homens que Diablo reconhecia, estavam alinhados próximo a parede.
— Ah! É o grupo que fez uma baderno no [Apetisan]! — Shera foi a primeira a pontar para o grupo.
— ... Pode apostar que são.
— O QUE!? SÃO OS INTROMETIDOS DE ANTES! — Os homens gritaram enquanto tremia.
Pelo nervosismo deles, ainda não haviam se recuperado do trauma que receberam antes.
Diablo ignorou-os e encarou diretamente o homem de meia idade que estava reclinado na poltrona.
— Então você é o tal do Measmos.
— Em pensar... que chegariam até aqui...
Com uma expressão abatida, seu rosto estava suando profusamente. Measmos entendia que seus guardas mais confiáveis haviam sido derrotados.
Além da idade avançada, não era possível sentir qualquer traço de MP ou SP emanando dele. Certamente não era o tipo de pessoa adequada para um combate.
“Acho que se eu o ameaçar com força, ele vai parar de cometer seus crimes.”
— Ku ku ku... Measmos, você tem agido como bem entende dentro da minha cidade, não é mesmo?
— Nós vamos te massacrar, noda! — Krum fez a sua declaração enquanto Diablo ainda estava falando.
“O QUÊ!?”
Ao invés de ameaça, isso estava mais para uma declaração de assassinato.
— Vo-vocês... quem são vocês? Que organização os contratou? Foi a Associação da Indústria ou do Comércio? A Guilda dos Aventureiros? O Lorde Feudal?
—Eu sei lá dessas organizações! Isso é apenas vingança por atrapalhar a nossa deliciosa refeição, noda! — Em bom tom, Krum declarou o crime de Measmos.
Esse tempo todo Diablo achava que ela estava agindo para proteger o restaurante que estava passando por uma crise. Isso apenas mostrava que ele não entendia a ordem de prioridades dessa pequena Rei Demônio.
— EU PAGAREI O DOBRO! NÃO, O TRIPLO! VOCÊS NÃO TRABALHARIAM PARA MIM!?
Krum havia dito que eles não estavam trabalhando para ninguém... mas parecia que a diferença de lógica entre os dois impedia que Measmos acreditasse no que ouviu.
— ... Measmos, você seria capaz de reparar os erros que cometeu nessa cidade? — Rem decidiu lhe fazer uma pergunta.
— De-de que erros está falando?
— ...Este grupo de homens fizeram baderna no [Apetisan]. Existe um grande número de outros locais que foram vandalizados também.
Surpreendentemente, Measmos fez uma expressão perplexa ao ouvir as palavras de Rem.
— O- O QUE DISSE!? EI, QUE HISTÓRIA É ESSA!? O QUE VOCÊS ANDARAM FAZENDO!? IREI ENTREGAR A TODOS AOS CAVALEIROS LOCAIS!
Então a sua tática seria a de insistir que não sabia de nada.
Diablo deu de ombros.
— Hmph... Você acha mesmo que irá conseguir me convencer com essa atuação barata?
— En-Entendi! Vou deixar Faltra imediatamente! Temos um acordo, então!?
E desse modo ele poderia cometer seus crimes em outra cidade. Este homem era uma grande dor de cabeça, por isso que Diablo não queria se meter com um sindicato do crime. Ele não queria mata-lo, mas estaria mesmo tudo bem deixa-lo partir...?
Krum pisou fortemente no chão e com um grande estrondo, ela encurtou a distância até Measmos. Dos quatro guarda-costas nenhum se moveu para proteger o seu empregador. Eles provavelmente foram incapazes de acompanha-la com os olhos. A velocidade foi tamanha que a única coisa que Diablo pode fazer foi assistí-la.
— ESPE–! — Measmos deu  um grito.
Os olhos de Krum brilharam com uma coloração vermelha.
— EU DISSE QUE IRIA MASSACRA-LO, PESSOA DAS RAÇAS!
O homem não teve a chance de resistir. Krum balançou sua mão direita, uma torrente mágica forte o suficiente para explodir a cabeça de uma pessoa rugiu em direção a ele até que–!
— KRUM-CHAN!
O grito de Shera ecoou.
Tendo seu ângulo levemente alterado, o ataque passou por cima da cabeça de Measmos.
— GYAH!?
O homem de meia idade agora havia se tornado careca. Sua cabeça ainda estava no local, mas seu cabelo havia desaparecido sem deixar rastros. Atrás dele — o encosto da cadeira, a mobília e até mesmo a parede de rocha sólida também haviam desaparecido. Como a chama de uma vela sendo assoprada, o poder mágico nas mãos de Krum desapareceram assim que ela a balançou.
“QUE VELOCIDADE ASSUSTADORA! ESSE FOI UM GULPE QUE EU JAMAIS VI! SERÁ QUE FOI MAGIA SILENCIOSA? OU UM ATAQUE COM PROPRIEDADES MÁGICAS!?” — Diablo estava completamente atônito em sua mente.
O Rei Demônio Krebskrum em seu estado despertado havia lutado que nem uma criança fazendo birra. Embora tenha disparado poderosos ataques em sucessão, seus movimentos foram muito simplistas.
Sem sombra de dúvidas a Krum atual foi mais poderosa. Se eles acabassem entrando em uma luta novamente, ele precisaria elaborar algum tipo de plano — foi isso que pensou. Essa era a prova do quanto ela havia evoluído.
Já que a parede foi construída simplesmente empilhando as pedras, no instante em que um buraco foi feito nela, o restante ruiu. E então, como a estrutura da mansão foi suportada não pelos pilares, mas pelas paredes, o teto veio a baixo.
Normalmente, as pessoas teriam fugido a essa altura, mas devido a atmosfera intimidante de Krum, Measmos ficou paralisado, como um sapo encarando uma serpente. Mesmo os guarda-costas também estavam, tendo presenciado uma demonstração absoluta de poder bem diante de seus olhos. Quanto ao grupo de arruaceiros que estavam ao lado da parede, estes não eram sequer capazes de continuarem de pé.
Rem e Shera engoliram enquanto observavam quietamente.
Quanto a Diablo.
“Não, espera! Se eu apenas ficar quietinho aqui, não seria o mesmo que dizer a todos que eu fiquei “Chocado pela Krum”? Alguém assim não combinaria com um Rei Demônio!”
 — Hmph... — Diablo decidiu simplesmente bufar.
Krum virou-se e todos a acompanharam para olhar para ele, pensando que Diablo tinha algo que gostaria de dizer.
“Que droga! Eu não pensei em nada para dizer!”
— Hmph... Fuu-hahaha! — Por hora, a única coisa que ele poderia fazer era dar uma gargalhada.
Ficando confusa com aquilo, Krum apontou para seus lábios e inclinou a cabeça.
— O que é tão engraçado, Diablo, noda?
— Apenas imaginei que simplesmente massacra-lo seria algo tão brando. Nunca imaginei que você seria tão “amável” apesar de se proclamar como um Rei Demônio, sabe?
— Hou? Bem, então por que não me diz a maneira apropriada de lidar com ele, noda?
Diablo disse a primeira coisa que apareceu em sua cabeça que poderia surpreender a todos a volta.
— Measmos, eu não o permitirei abandonar essa cidade!
— O QUE VOCÊ DISSE!?
Aquele que de repente levantou a voz foi ninguém menos do que Krum.
— Por que diz isso, Diablo? — Perguntou Shera.
— Hmph... não conseguem entender sequer isso? Que lamentável.
“É lamentável que eu falei qualquer besteira sem ao menos pensar!”
No entanto, entre todos ali, Rem foi a única com uma expressão de ter compreendido algo.
— ...Acho que compreendi. Como esperado de você, Diablo. Eu sempre fico admirada com o seu discernimento.
— Ao que parece pelo menos uma pessoa entende.
Enquanto a elogiava com uma atitude de superioridade — ele implorava internamente, “Por favor, Rem-sama!  Faça algo quanto a isso!”, em seu coração.
— ...Mesmo se Measmos deixar Faltra, ele iria apenas cometer mais crimes em uma nova cidade. Por essa razão nós não podemos deixa-lo partir.
— Então vamos apenas deixa-lo continuar a fazer coisas ruins aqui?
Rem balançou a cabeça para os lados em resposta a pergunta de Shera.
— ...Nós não iremos ignorar as suas ações a partir de agora. Esse é o aviso que Diablo está dando a ele.
— Ah! Acho que entendi agora!
— ...Quanto a  mim, espero que ele se desculpe com todas as pessoas que tem prejudicado e comece a fazer negócios de maneira respeitável a partir de agora.
— É verdade! Seria maravilhoso se ele pudesse fazer isso!
— ...De todo modo, no momento em que ouvirmos rumores ruins novamente sobre ele, as coisas não terminarão com apenas o seu cabelo. É disso que você está falando, não é mesmo, Diablo?
Como se pedindo pela pontuação de sua resposta, Rem olhou para ele.
— Ao que vejo, você compreendeu bem as minhas intenções.
— Graças a Deus.
— Oh! Isso é incrível, noda! Realmente, parece ser a melhos escolha, noda! — Krum bateu suas mãos e elogiou a ideia.
Em seguida, ela foi até Measmos e colocou a mão em seu ombro.
— Você entendeu bem!?
— S-SIM, SENHORA!
— Seria bom que você dissesse algumas palavras nessas linhas, noda!
— Uugh... En-entendido! Eu prometo me desculpar com todos e acumular boas ações!
Measmos levantou-se de sua cadeira e se prostrou a ela. Assistindo a cena, Krum assentiu magnanimamente.
— Umu, irei acreditar em suas palavras apenas dessa vez, noda. Mantenha em mente que se você mentir para Maou, o seu castigo será ser comido vivo por centenas de Bestas Demoníacas, noda!
Seria tem legal e tão compatível com um Rei Demônio ter suas próprias Bestas Demoníacas para comandar — foi o que pensou Diablo.


◇◇◇


Na manhã seguinte.
Na sala de jantar da hospedaria [Alívio], o grupo de Diablo estava tomando o café da manhã mais tarde que de costume. Em uma mesa para quatro pessoas, Rem estava do lado direito e Shera estava do lado esquerdo. No lado oposto a elas, estavam Krum e Edelgart. Shera e Eldegart estavam ao redor de Krum, servindo-a durante a refeição.
Seus pratos consistiam de pão, salsicha e sopa, como de costume, trazendo o sabor da [Alívio], o qual elas não puderem provar em um longo tempo. Era como se finalmente estivessem de volta em casa. 
Do outro lado do refeitório, se encontrava a recepção da pousada. De lá, o pequeno grito da garota-propaganda, Mei-chan, pode ser ouvido.
— HIIIII!
Diablo virou-se para lá.
— Será que um inseto apareceu ou algo assim?
— ...Eu não acho que a Mei-chan seria surpreendida por algo assim. — Rem inclinou a cabeça.
Normalmente, Rem seria cortês em seu discurso, mas houve muitos casos em que ela propositalmente se dirigiria a alguém sem o uso de honoríficos. A Mestra da Guilda dos Aventureiros Sylvie, a Mestra da Guilda dos Feiticeiros, Celestine, a Alta Sacerdotisa Chefe, Lumachina e até mesmo com Diablo.
Ela trataria a todos com respeito, mas jamais se rebaixaria a alguém — esse pensamento era a personificação do orgulho dela. No entanto, apenas no caso de Mei ela iria obedientemente chama-la de “Mei-chan” como lhe havia sido ordenado.
Foi então que Shera também voltou seu rosto para a entrada do refeitório.
— HIIIII!!!
Ela soltou a colher de sua mão quando gritou. Pensando no que estava acontecendo, Krum e Edelgart também seguiram a linha de visão dela. Um homem de olhar severo e aparência não apropriada para o refeitório tinha entrado. Ele usava um uniforme militar e uma única espada pendia em sua cintura. 
Diablo instintivamente ficou de pé, mas para esconder sua agitação, ele fez uma piada. 
— Kukuku… Será que está tudo bem agir assim? Quando uma figura pública vem ao refeitório de uma hospedaria com o uniforme, haverá descontentamento entre os virtuosos cidadãos, sabe?
— Você está tomando café da manhã tão tarde? Aventureiros realmente vivem de forma desleixada. 
Aquele que entrou no refeitório foi ninguém menos que o Lorde Feudal da Cidade Fronteiriça de Faltra, Chester Ray Galford, acompanhado por dois cavaleiros locais. Os outros clientes rapidamente levantaram de seus assentos. Galford era conhecido por ser rigoroso e o único que o enfrentaria era ninguém menos que o próprio Diablo. Nenhuma das pessoas ao redor queria ser envolvida com esses dois.
Diablo decidiu fazer uma pergunta. 
O que você quer, Galford?
— Hoje, o meu assunto a tratar não é com você. Há certas suspeitas sobre aquela criança ali.
Parecia que Krum havia chamado sua atenção. Com uma atitude irritada, ela afastou seus cabelos para o lado.
— Quem é você, nanoda!?
— ...... Ele é o Senhor Feudal da Cidade de Faltra, Krum. — Antes que as coisas piorassem, Rem decidiu intervir. 
— Senhor Feudal?
— ... Muito do desenvolvimento da cidade foi feito graças ao trabalho duro deste homem. Krum, até mesmo a padaria e o restaurante que você tanto ama,  só existem graças a gestão dele.
— Ooh, então foi assim, noda! Isso é ótimo, não é? Nesse caso, eu devo elogiá-lo, noda!
Ela tinha a aparência de uma menina inocente, no entanto os olhos de Galford não estavam nem um pouco contentes enquanto olhava para Krum. Graças a aparência infantil dela, a cena de um homem de meia idade a encarando fixamente... o fazia parecer com um velho pervertido... Mas claro, mesmo Diablo teve a prudência de não dizer isso em voz alta. 
Shera se inclinou para frente para cobri-la.
— Erm ...... O que você quer com a Krum-chan?
— Eu obtive algumas informações muito interessantes de um agente secreto que se infiltrou em uma determinada organização. Aquela criança Krum, ela usou uma técnica que ele nunca tinha visto antes e de todas as coisas, ela alegou ser um "Rei Demônio".
Entre os capangas de Measmos havia um dos homens do Senhor Feudal. Será que ele estaria infiltrado entre os guarda-costas? Ou estaria no grupo que vandalizou o [Apetisan]? 
“Surpreendentemente você é bastante zeloso em seu trabalho, hien, Galford?”
— Senhor feudal! Krum é apenas uma criança! — Rem tentou encobrí-la.
Fique à vontade, pois não acreditei totalmente na informação que me foi dada. Tudo que pretendo fazer é tê-la me acompanhando até uma instalação do exército onde ela será examinada por Feiticeiros.
— Ma-Mas isso é...
As coisas ficaram ruins.
Se alguém capaz de ler o fluxo de mana examiná-la, eles provavelmente notariam algo. Seja um Rei Demônio ou Ser Demoníaco, seriam no mínimo capazes de dizer que ele não era uma pessoa das raças.  E para piorar tudo, Krum não era boa em guardar segredos.
Isso é desnecessário, nanoda! Maou é Maou! O que há para esconder !?
Rem colocou a mão no rosto e abaixou a cabeça.
Os olhos de Shera estavam girando. 
Edelgart parecia pronta para começar uma batalha a qualquer momento, quase como se estivesse pedindo que eles levassem Krum embora enquanto ela segurava o oponente. Naturalmente, Galford havia se antecipado para isso.
— Eu preparei duas camadas de barreiras ao redor dessa estalagem. Se tomarem qualquer ação suspeita, todos vocês certamente terão muito a perder. Apenas sigam exatamente o que eu digo. 
Diablo olhou para ele. 
— Então, você pretende comprar problemas comigo, Galford?
— Essa não é a minha intenção, mas também há coisas que não posso deixar passar. Por exemplo, se um Ser Demoníaco fosse entrar em minha cidade...
Nesse lugar que tinha uma atmosfera tão perigosa, a garota propaganda da estalagem, Mei conseguiu entrar. Atrás dela, havia um homem que parecia ser um mero cliente. 
Posso ter um momento?
— Acredito ter dado a ordem de que mais nenhum cliente estaria autorizado a entrar, não foi? — Galford não tirou os olhos de Diablo enquanto respondia.
— Hmm , ele não é um cliente, nya. Trata-se apenas de uma pessoa querendo dar o seu agradecimento à Krum-chan, nya.
— Mu?
Mei deu um passo para o lado e a pessoa que veio por detrás dela foi o dono do restaurante [Apetisan]. Percebendo que até mesmo o Lorde Feudal estava aqui, ele curvou a cabeça várias vezes. 
— E-eu sinto muito por interromper o que parece ser uma discussão importante. É só que, se me permitem, posso dizer ao menos algumas palavras?
— Fale. — Galford assentiu. 
Depois que o proprietário fez uma reverência ao Lorde de Faltra, ele baixou a cabeça para o grupo de Diablo.
— Eu sou verdadeiramente grato por tudo o que vocês fezieram! Uma pessoa da Família Measmos veio até o meu restaurante e prometeu que “não exigiria mais dinheiro”. Até pediram desculpas por todos os inconvenientes que causaram!
—  Umu umu.
Krum cruzou os braços e demonstrou uma expressão satisfeita. 
Com os olhos cheios de lágrimas, o proprietário continuou a falar.

— Muito obrigado a todos vocês! Agora poderei manter o meu restante... quando eu pensei que não tinha escolha a não ser pagar o dinheiro ou fechar a loja... re-realmente... muito obrigado! 
Sua voz estava trêmula, mostrando o quão emocionado ele estava com todos esses acontecimentos. Sentindo-se solidária com ele, Shera não conseguiu segurar as lágrimas.
— Uuu ...... eu estou tão feliz por você! Essa foi uma verdadeira graça!
— … Fico contente que você tenha vindo agradecer, mas... Como descobriu o nosso paradeiro? 1 Rem fez essa pergunta a ele. 
Enquanto limpava os olhos, o dono expressou um sorriso.
— Desde que ela é uma menina tão nova que vai a todas as lojas sozinhas fazendo críticas precisas como uma profissional, Krum-san é bastante famosa entre os restaurantes da cidade de Faltra. Embora isso possa ser rude vindo de mim, todas as pessoas do seu grupo são bastante distintas, também.
Agora que ele havia mencionado... Um demônio com chifres (apesar de que fosse apenas o efeito do equipamento e não chifres reais), uma Panterian de cabelos negros (a maioria possui cabelos e caudas que vão de laranja a vermelho), uma Elfa de seios grandes (geralmente Elfos possuem seios pequenos) e além disso, Rem e Shera tinham [Colares de Ferro] (Usados por escravos) atados em seus pescoços. Um grupo tão vistoso era algo muito raro de se ver. 
“Poderia ser que nos destacamos mais do que eu pensava?”
Parecia que qualquer um poderia descobrir que eles estavam hospedados nesta pousada, depois de investigar um pouco.
Krum expressou um sorriso para o proprietário depois que ele manifestou seus agradecimentos várias vezes. 
— Meus parabéns, noda! Mas quem disse ao Measmos para fazer coisas boas foi o Diablo, afinal. Maou pretendia massacrá-lo, noda! Como eu pensava, Diablo é realmente ótimo!
Galford, que estava ouvindo longe da mesa, arqueou as sobrancelhas.
Diablo sentiu que ela havia dito algo desnecessário.
Assim que o proprietário do [Apetisan] se retirou, o encarregado de outra loja entrou como se para substituí-lo. Parecia que este tinha que pagar uma grande soma em dinheiro para a Measmos. "Eu achei que teria de abandonar o ramo, mas você me salvou!", foi o que ele disse e um após o outro, mais pessoas vieram para agradecer... Em pouco tempo, uma fila se formou do lado de fora da pousada.
Quando a décima pessoa surgiu, Galford abriu a boca. 
— Já é hora de partir.
Rem fez um protesto e Edelgart cerrou os punhos, mas Galford as impediu levantando a mão. 
— Não há mais necessidade para Krum-kun me acompanhar.
Fazendo um, “Hoeh!”, Shera, que havia abraçado Krum fortemente para protegê-la, levantou uma voz de surpresa.
O que ele queria dizer com aquilo? Depois de pensar um pouco, Rem decidiu pergunta-lo.
— ...... Podemos ouvir o motivo?
— Não há como haver um Ser Demoníaco receber a gratidão de tantos cidadãos. Estou ocupado, então não tenho tempo para investigar suspeitas infundadas. É isso o que significa.
— ... É isso mesmo! A Krum-chan é uma boa menina!
— Se for esse o caso, isso é realmente bem-vindo.
Abruptamente, Galford se aproximou de Krum. Sua mão direita estava deitada sobre a espada.
— O que você faria se um Rei Demônio se aproximasse de Faltra?
— Não importa quem seja, qualquer um que se atrever a atrapalhar as refeições de Maou, receberá apenas a destruição, noda.
Foi uma resposta imediata. 
A expressão de Galford se afrouxou e ele saiu. 
— Retirada  — Essa foi a ordem dada aos seus subordinados. 
Não apenas os dois cavaleiros locais que o acompanhavam, havia provavelmente um grande número de subordinados que cercavam a estalagem. 
Quando Galford saiu da hospedaria, a atmosfera opressiva desapareceu completamente.


Se você gostou deste capítulo, CLIQUE AQUI, solucione o Captcha e aguarde

por 5 segundos, assim estará apoiando a Anime X Novel!







Share on Google+

Faça uma busca aqui por mais Novels e Mangás em nossos Sites Parceiros!

You Might Also Like

Comment Now

0 comentários